quarta-feira, 8 de novembro de 2017

O TEMPO VOA...


O tempo voa e não vemos. Será que não vemos? Todo dia muita coisa para fazer e você sempre diz que está sem tempo.

Você começa o seu dia olhando para o relógio para ver se vai dar tempo de cumprir tudo que havia planejado no dia anterior. Acordamos porque colocamos o despertador para tocar, para irmos trabalhar. Preparamos café da manhã, organizamos os filhos, tomamos o café da manhã, porque você olha para o relógio e vê que já está sem tempo, acabamos de nos organizar e colocamos os filhos no carro e partimos.
Nesse período de organização olhamos várias vezes ao relógio só para certificarmos que não estamos atrasados.

Finalmente saímos de casa, deixamos os filhos na escola e pronto. Agora, pegaremos o caminho que fazemos todos os dias para chegarmos ao trabalho. Muitas vezes ficamos presos no trânsito, a pergunta passa pela nossa mente:

Será que vai dar tempo de chegarmos ao trabalho? Está demorando muito e eu estou perdendo tempo. Só para se certificar, olhamos novamente no relógio para ver que horas são.




Ufa!!! Depois de pegar aquele trânsito, finalmente chegamos ao trabalho, o qual está acumulado, porque não conseguimos terminar o serviço do dia anterior e o chefe quer tudo pronto pra hoje.
Respiramos profundamente e vamos fazer nossas tarefas e nos organizando. Quando olhamos o relógio, já passou a hora do almoço e não temos tempo de almoçar, porque o tempo de entregar o nosso serviço está acabando.
O tempo está tão corrido que nós temos que pedir socorro para alguém buscar os filhos na escola. Vemo-nos sentados organizando tudo no nosso trabalho e olhando para o relógio e esquecemos de olhar para nós mesmos e para as pessoas que estão ao nosso redor.

O dia está terminando e voltamos para casa muito cansados e reclamando, porque não conseguimos terminar o  trabalho programado, porque o tempo foi curto.

Quando chegamos em casa, temos muita coisa para fazer, e dizemos que estamos com pouco tempo. Essa falta de tempo que nos deixa irritados, estressados e com crises de ansiedade.

Ah… e você? Procura soluções para dar conta de fazer todas as suas tarefas no tempo certo?
Você se faz essa pergunta?

Qual o segredo do tempo?

Bom, mude a forma de viver, desacelere, pare de reclamar que está sem tempo, agradeça por tudo que fizer no seu dia, agradeça por abrir os olhos pela manhã, agradeça por ter uma cama quentinha todos os dias, agradeça por ter o que comer, agradeça por ter um trabalho, agradeça por estar preso no trânsito e não ter acidentado, agradeça por chegar em casa todo dia depois do trabalho, agradeça pela sua família, agradeça por você estar vivo e ainda tem tempo para viver, agradeça por ter tempo, agradeça, agradeça, agradeça!
Pare de viver somente para o trabalho. Tire um tempo para você, sua família. Quando tiver preso no trânsito ouça uma música e cante, tente relaxar por alguns minutos, assista a bons filmes, exercite-se, leia bons livros, alimente-se bem, passeie com seu animal de estimação, passe um final de semana perto da natureza, faça uma oração, jogue conversa fora com os amigos, mande mensagens para amigos, plante uma árvore e a cultive.


Você precisa parar de pensar que está sem tempo,  faça o que der tempo e pense sempre positivo. Pare de viver olhando para o tempo, apenas viva a sua vida intensamente. Agradeça pela vida que tem, porque uma coisa é certa nessa vida, o tempo voa.



Autora: Izabela Aquino

domingo, 5 de novembro de 2017

RECEITA DE SORVETE FIT

Oi 
Tudo Bem?







INGREDIENTES:

2 bananas nanicas;
3 colheres de sopa de cacau em pó de 70%;


MODO DE PREPARO: 

Corte as bananas e as congele por 8 horas;

Depois de congelados bata as bananas e o cacau em pó no multiprocessador por 4 minutos  ou até a mistura ficar homogênea.
Pronto já está pronto para o consumo . Se não quiser consumir na hora pode congelar.


Para quem gosta pode acrescentar: chia, damasco seco, uva passas, granola, amêndoa, nozes, castanha do caju, castanha do pará, frutas vermelhas e gotas de chocolate amargo.

Use sua criatividade.


Um beijo e até o próximo post.




quinta-feira, 2 de novembro de 2017

USO DE REMÉDIO COMO OMEPRAZOL DOBRA RISCO DE CÂNCER NO ESTÔMAGO, DIZ ESTUDO




Usado no Brasil e em todo o mundo para o refluxo ácido, gastrite e úlceras estomacais, o Omeprazol está associado a uma doença ainda mais séria. Conforme uma pesquisa da Universidade de Hong Kong e da University College London, as drogas do grupo de inibidores de bomba de próton (IBP) - como o Omeprazol, Pantoprazol e o Iansoprazol podem aumentar em até 2,4 vezes as chances de ser desenvolvido o câncer no estômago. A informação é do Uol.


Segundo os pesquisadores, depois de a bactéria chamada Helicobacter pylori ter sido removida dos medicamentos, o risco de câncer estomacal aumentou na mesma dosagem e duração do tratamento com medicamentos anti-refluxo.


No Reino Unido, são mais de 50 milhões de prescrições desse tipo de remédio todos os anos. A descoberta já havia sido identificada pelos acadêmicos, mas nunca em um estudo onde se eliminou uma bactéria então suspeita pelo desenvolvimento da doença.

O estudo, que recrutou 63 mil adultos, foi comprado o uso do IBP a uma outro medicamento, conhecido com H2, que também limita a produção de ácido estomacal. Os participantes foram tratados entre 2003 e 2012. Após isso, foram acompanhados por cientistas até desenvolverem câncer de estômago, morrerem ou chegarem ao final do estudo, 2015.


Durante esse tempo, 3.271 pessoas receberam IBP por quase três anos, enquanto 21.729 participantes tomaram bloqueadores de H2. Um total de 153 pessoas desenvolveram a doença.


Ao passo que os bloqueadores de H2 não aumentaram o risco de câncer no estômago, os IBPs mais do que dobraram essas chances. Para quem fez uso diário, o risco foi 4,55 vezes maior do que para aqueles que precisaram do remédio semanalmente. Quando ministrado por mais de um ano, o risco de câncer de estômago aumentou cinco vezes, enquanto as chances forma oito vezes maiores após tr~es anos ou mais.


O estudo aconselha aos médicos que tenham "cautela quando prescrevem IBP para uso de longo prazo, mesmo após a erradicação bem- sucedida de H plyori.

Em entrevista ao jornal britânico The Guardião, o professor de farmacoepidemiologia da London School of Hygiene qnd Tropical Medicine, Stephen Evans, afirmou que "muitos estudos observacionais encontraram efeitos adversos associados aos IBPs".

Para Evans, a explicação mais plausível para a totalidade da evidência sobre isso é que aqueles que recebem IBPs e, sobretudo a longo prazo, têm tendência a estar mais doentes de várias maneiras do que os outros que não tomaram o remédio.

Fonte: 
https://www.google.com.br/amp/s/noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2017/11/01/uso-de-remedio-como-omeprazol-dobra-risco-de-cancer-no-estomago-diz-estudo.amp.htm

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

NOC - CLASSIFICAÇÃO DOS RESULTADOS DE ENFERMAGEM

Olá
Tudo Bem?
A dica de livro hoje é para os enfermeiros e estudantes de enfermagem.


Livro: NOC - Classificação dos resultados de enfermagem
Edição:
Ano: 2010
Páginas: 936
Editora: Elsevier/ Medicina Nacionais
Autor(a):  Johnson, Marion/ Moorhead, Sue/ Maas, Meridean L./ Swanson, Elizabeth

Adquira: Saraiva 






Descrição:




Esta classificação apresenta uma terminologia padronizada e adotada internacionalmente e indicadores para mensuração de resultados decorrente de Intervenções de Enfermagem.

A abrangência dos resultados e a inclusão de indicadores específicos que podem ser utilizados para avaliar e classificar os pacientes em relação ao resultado alcançado.

Espero que gostem da dica de livro.

Beijos e até o próximo post.



terça-feira, 31 de outubro de 2017

RESENHA: COOKIES CASTANHA DO PARÁ INTEGRAL DA JASMINE

Olá
Tudo Bem?
Hoje têm resenha dos cookies castanha do pará integral da Jasmine!
Espero que gostem da resenha!
Imagina cookies maravilhosos?
Então, são os da Jasmine!

Os cookies são saborosos contém pedacinhos da Castanha do Pará que são irresistíveis.




Eu super indico os cookies de castanha do pará para as pessoas que praticam o veganismo.


Resenha e imagem cookies jasmine fonte: site da jasmine 




Disponível em embalagem com 150g.

Ingredientes: farinha de trigo integral, farinha de trigo fortificada com ferro e ácido fólico, açúcar mascavo, melado de cana, óleos vegetais (milho e/ou girassol e/ou algodão), Castanha do Pará, amido, maldodextrina, estabilizantes naturais maltitol e lecitina de soja, fermentos (fosfato monocálcico, bicarbonato de sódio e bicarbonato de amônio) e aromas.

Alérgicos: contém castanha -do-pará, derivado de trigo e de soja, pode conter aveia, centeio, cevada, avelã, amêndoa, amendoim, castanha de caju, macadâmia, noz, pecã, pistache, pinoli e castanhas.

Contém Glúten.

  • Integral;
  • Vegan;
  • Crocante e delicioso;
  • Feito com Granfibra, farinha integral elaborada no moinho de pedra da Jasmine.

Queridos leitores, espero que tenha gostado da resenha. Procure os cookies sabor castanha do pará e experimente.

Podem, encontra nos sabores: Castanha do Pará, Limão, Café, Chocolate em Gotas, Laranja e Avelã com gotas de chocolate.

Vocês vão adorar.



Um beijo é até o próximo post.

Jasmine:

https://www.jasminealimentos.com/produtos/integral/cookies-integrais-castanha-do-para/

segunda-feira, 30 de outubro de 2017

AGRADECIMENTO!

O blog Saúde e Vida atingiu o número de 25 mil visualizações ao todo!
Agradeço a todos os leitores do blog.
Muita obrigada por mais de 25 mil visualizações. É muito bom saber que estão gostando do blog.
Continuem visitando o blog e compartilhe nossas informações.
Obrigada!!




APROVADO NOVO CÓDIGO DE ÉTICA DA ENFERMAGEM BRASILEIRA



O novo Código de Ética da Enfermagem brasileira foi aprovado na 494ª Reunião Ordinária de Plenário do Conselho Federal de Enfermagem. Fruto de amplo e democrático debate, o código concilia a defesa da sociedade com a proteção ao bom profissional. 

Para o presidente do Cofen, Manoel Ner, o novo Código de Ética reflete a complexidade da atuação profissional nos tempos atuais. "Preservamos a essência  do documento pactuado na I Conferência Nacional de Ética em Enfermagem (Conaeenf), incorporando contribuições dos presidentes dos Conselhos Regionais e dos conselheiros federais", afirmou.


A Lei 5905/73 estabelece que compete ao Cofen 'elaborar o Código de Deontologia de Enfermagem e alterá-lo, quando necessário, ouvidos os Conselhos Regionais'. "Fomos além, levando esse debate a todos os Conselhos Regionais, aos profissionais de Enfermagem e à sociedade, de maneira ampla e transparente", ressaltou o presidente.

A nova norma traz uma linguagem mais clara e objetiva, como por exemplo, o artigo que trata da suspensão das atividades quando o local de trabalho não oferecer condições seguras para o exercício profissional, devendo o profissional formalizar imediatamente sua decisão por escrito ou por meio eletrônico à instituição e ao Conselho Regional de Enfermagem. Neste caso, o código mudou o texto instituição pública ou privada, pela palavra local de trabalho, corroborando com o direito trabalhista. 

"Garantimos o direito de comunicar casos de violência previstos na legislação, especialmente quando as circunstâncias impedem ou dificultam a manifestação das vítimas", ressaltou relator.

Para o conselheiro relator Jebson Medeiros, o novo Código de Ética concilia a defesa da sociedade com a proteção ao bom profissional, trazendo avanços, especialmente nos casos de violência doméstica. " Garantimos ao profissional de Enfermagem o direito de comunicar casos de violência previstos na legislação, especialmente quando as circunstâncias impedem ou dificultam a manifestação das vítimas", ressaltou.

Construção democrática- O processo de reformulação do Código de ética foi iniciado por Grupo de Trabalho estabelecido pelo Cofen. Os Conselhos Regionais enviaram suas contribuições após a realização de diversos encontros e conferências junto aos profissionais de Enfermagem, ouvidos também em consulta pública realizada no Portal Cofen.


O documento foi discutido e aprovado pelos 300 delegados representantes dos estado na I Conaeenf e submetido à Assembleia de Presidentes dos Conselhos Regionais, com transmissão ao vivo aberta a todos os profissionais. A versão consolidada do código foi então submetida ao plenário do Cofen, que fez alterações pontuais. O texto aprovado entrará em vigor 120 dias após a publicação no Diário Oficial da União (DOU).

Fonte: Ascom - Cofen 



http://www.cofen.gov.br/aprovado-novo-codigo-de-etica-da-enfermagem-brasileira_54247.html

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

PAI...



Hoje é dia de refletir...
Pare alguns minutos e reflita sobre a relação com o seu pai. 
Você têm um pai ausente ou presente?
Ah, quem pudera se todos os filhos tivesse a chance de ter e chamar de pai, papai, paizão, papito...essas são as verdadeiras palavras de amor ou deveria ser assim.
Por isso, pai é aquele...
Pai é aquele que cuida quando você está com cólica.
Pai é aquele que te ajuda a dar os primeiros passos.
Pai é aquele que te dá a primeira bicicleta e fica segurando pra você não se machucar.
Pai é aquele que preocupa com o filho quando está doente.
Pai é aquele que fica feliz com seu primeiro dente.
Pai é aquele que leva o filho para a escola e o espera na saída.
Pai é aquele que educa o filho com carinho.
Pai é aquele que ama o filho sem cobrança.
Pai é aquele que quando você cair é o primeiro a te levantar.
Pai é aquele que sussurra no ouvido do filho...Calma filho tudo vai ficar bem!
Pai é aquele que incentiva o filho.
Pai é aquele que ensina o filho a ter fé.
Pai é aquele que atende os telefones do filho.
Pai é aquele que liga para saber como o filho está.
Pai é aquele que manda mensagem.
Pai é aquele que não te abandona, mesmo que você esteja adulto.
Pai é aquele que admira sua cria.
Pai é aquele que não abandona os filhos porque se separou da esposa.
Pai é aquele que se preocupa com o filho.
Pai é aquele que quando você está triste faz qualquer coisa para te deixar feliz.
Pai é aquele que vai cuidar de você quando tiver 1,10,20,30,40,50...
Pai é aquele que vai te dar um puxão de orelha e ao mesmo tempo dar o melhor abraço do mundo.
Pai é aquele que o filho não precisa mendigar pelo seu amor. Pai é aquele que é o exemplo para o seu filho.

Pai é aquele que vai torcer por você entrar na faculdade e vai estar na primeira fila te aplaudindo de pé a sua vitória de mais uma etapa vencida.
Pai é aquele que prioriza a família, a respeita e ama.
Pai é aquele que dialoga com o filho, dando bons conselhos.
Pai é aquele que não perde nenhuma oportunidade pra ver o filho crescer.
Pai é aquele que vê no filho sua maior riqueza.
Pai é aquele que vira um leão para defender o filho.
Pai, papai, paizão, papito... essas deveriam ser as palavras diárias de um filho. O filho no decorrer de sua vida só almeja ser amado, cuidado, educado e ter a presença do pai.
Pai, aproveite a oportunidade! Se você tem a sorte de ter seu filho em suas mãos não a solte, porque muitos pais queriam estar em seu lugar para ser amado por ele. Filhos, se vocês tem um pai em suas mãos, aproveite esta oportunidade, ame, abrace, fale coisas bonitas para ele, porque muitos queriam estar em seu lugar, tendo um pai ao seu lado.
Autora: Izabela Aquino

BURSITE

 Introdução
A Bursite é um processo inflamatório de bolsa, que ‘’resulta no choque de tuberosidade do úmero, ocorre na porção do tendão do bíceps e do tendão do músculo supra- espinhal, com o arcoacromial, quando do movimento de elevação e/ou abdução do braço”, por causa do trabalho repetitivo que ocasiona a inflamação e posteriormente à dor, que com essa dor leva a muitos trabalhadores à ficarem de Atestado de Saúde Ocupacional (ASO).
            Segundo o dicionário Houaiss (2011), o trabalho pode ser conceituado como conjunto de atividades, produtivas ou criativas, que o homem exerce para atingir determinado fim. Porém essas atividades devem ser exercitadas de forma que não prejudique a saúde do trabalhador.
O conhecimento das doenças provocadas pelo trabalho deve ser conhecido pelo trabalhador, chefe e principalmente pelos profissionais da saúde, para que aconteça a prevenção das doenças provocadas pelo trabalho. O trabalhador e o chefe devem andar juntos para à qualidade de vida de seu trabalhador e dos serviços prestados pelos seus trabalhadores, por isso toda empresa deveria ter o Serviço de Saúde do Trabalho, para que esse trabalhador fosse ouvido e que esse profissional fosse muito bem orientado sobre os EPIs – Equipamentos de Proteção Individual para sua proteção e principalmente sobre a postura correta de realização de seus serviços.
             Inicialmente poderíamos supor que as doenças ocupacionais causadas pela postura sentada afetariam costas, pescoço e as pernas dos profissionais, mas dependendo das atividades executadas outras partes do corpo humano poderão ser afetadas, com poderão causar à dor de acordo com o que diz Ramazzini:
 A dor relacionada ao trabalho é descrita desde a Antiguidade (DEMBE, 1996), mas o registro clássico sobre a descrição de vários ofícios e danos à saúde a eles relacionados está contido na obra de Ramazzini (1985).
                                                        
              Por isso que surge a ergonomia no ambiente de trabalho, que funciona como uma relação de estudo entre seres humanos e máquinas, visando à segurança e o conforto, através de posturas e procedimentos.
  Neste trabalho, propõe – se analisar o ato de trabalhar em posição sentada, bem como as consequências de uma postura, e a importância da ergonomia nas atividades diárias dos profissionais.

  Bursite – Transtornos dos Tecidos Moles Relacionados com o uso, excessivo e a pressão de origem ocupacional.

Definição da doença - Descrição
             Os Transtornos dos Tecidos Moles Relacionados ao uso excessivo e a pressão, de origem ocupacional tem como características, as bursites de um processo inflamatório que acomete as bursas, pequenas bolsas de paredes finas, constituídas de fibras colágenas e revestidas de membrana sinivial, encontradas em regiões em que os tecidos são submetidos à fricção, geralmente próxima a inserções tendinosas e articulações. Sua localização mais importante é nos ombros, mas podem ser encontradas em outras regiões, que se apresentam como:
·         Sinovite crepitante crônica da mão e do punho (M70.0);
·         Bursite da mão (M70.1);
·         Bursite do cotovelo (do olecrano) (M70.2);
·         Outras Bursites do Cotovelo (M70.3);
·         Outras Bursites Pré – Rotulianas (M70.4);
·         Outras Bursites do Joelho (M70.5);
·         Outros transtornos dos tecidos moles relacionados com o uso, excessivo e a pressão (M70.8);
·          Transtorno não especificado dos tecidos moles relacionado com o uso, excessivo e a pressão (M70.9).

Os quadros de bursite que acometem o joelho, particularmente a bursite infra patelar, podem ser observados, com muita frequência em indivíduos que trabalham ajoelhados, como os aplicadores de carpetes, trabalhadores domésticos, faxineiros, religiosos e mineradores.
Nas bursites, o quadro clínico é caracterizado pela dor exacerbada pelo movimento das estruturas envolvidas, a identificação de um ponto sensível e doloroso, geralmente sobre a protuberância óssea, constitui um achado importante para selar o diagnóstico.
O diagnóstico da bursite baseia- se na história clínica, no exame físico e na análise do trabalho.


 Desvantagens que desencadeiam a bursite e as doenças relacionadas à     Saúde do Trabalhador

 Na maioria dos casos a Saúde do Trabalhador é prejudicada por falta de informações, Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e principalmente pela má postura que ocasiona lesões que atingem com maior frequência, os membros superiores e a região cervical, essas lesões provocarão inflamação comprometendo a articulação de punhos (tenossinovite), dos ombros (bursite), do pescoço (cervicalgia), dentre outros. Veremos a partir de agora as posturas e o que elas podem provocar em nosso corpo.
A postura sentada imprópria pode causar lesões e dores, sendo caracterizada pela parte superior das costas curvas ou corcunda. A má postura sentada é um hábito ruim, que pode ser mudado com um pouco de esforço e dedicação.
 A postura sentada possui desvantagens também, como flacidez dos músculos abdominais, curvatura da coluna vertebral, que prejudica o com funcionamento do sistema digestivo e respiratório, sobrecarga dos músculos das costas, entre outros.


Neste contexto, Saliba (2004, p.341-342) diz que as vantagens da posição sentada são: “baixa solicitação da musculatura dos membros inferiores, reduzindo, assim, a sensação de desconforto e cansaço; possibilidade de evitar posições forçadas do corpo; menor consumo de energia do corpo; facilitação da circulação sanguínea pelos membros inferiores”. As desvantagens segundo Saliba (2004, p.342) são: “pequena atividade física geral (sedentarismo); adoção de posturas desfavoráveis: lordose ou cifoses excessivas; estase sanguínea nos membros inferiores, situação agravada quando há compressão da face posterior das coxas ou da panturrilha contra a cadeira, se esta estiver mal posicionada.”
 Com toda essa má postura do trabalhador, o corpo terá grandes consequências como:
LME - Lesões Musculoesqueléticas caracterizadas por síndrome de dor crônica que ocorrem no exercício de uma dada atividade profissional, por isso se designam “ligadas ao trabalho”.
LMERT- Lesões Musculoesqueléticas relacionadas ou ligadas ao trabalho, as lesões que resultam da ação de fatores de risco profissional com a receptividades, a sobrecarga e/ou a postura adotada durante o trabalho.
As LMERT caracterizam – se por sintomas como:
·         Dor a maioria das vezes localizada, mas que pode irradiar para áreas corporais;
·         Sensação de “dormência ou de formigueiro” na área afetada ou em área próxima;
·         Sensação de peso;
·         Fadiga ou desconforto localizado;
·         Sensação de perda ou mesmo perda de força.


Com as características de LMERT os sintomas podem ser afirmados por:

           
                                                                      Coury (1995, p.1) diz que “a sobrecarga imposta pela postura sentada vai sendo sentida gradualmente por todas as partes do nosso corpo; começam a surgir dores, formigamento, sensação de peso nas costas, pescoço, pernas, braços e mãos.”


As LMERT podem ser agrupadas de acordo com a estrutura afetada:

 Tendinites ou tenossinovites

As Tendinites ou tenossinovites são lesões localizadas ao nível dos tendões e bainhas tendinosas de que é exemplo de tendinite de punho.

 Síndrome do túnel cárpico

A síndrome túnel cárpico é uma neuropatia, isto é, uma lesão de um nervo periférico, provocada pela compressão do nervo mediano num espaço limitado, o túnel cárpico, localizado no punho.

Tendinites do punho ou as tenossinovites do punho

As Tendinites do punho ou as tenossinovites são desencadeadas pela realização de movimentos repetitivos de flexão/extensão do punho e dedos, mesmo quando são realizadas com o manuseamento de pequenas cargas, ou pela manutenção de uma carga em postura inadequada.

 Epicondilete e epitrocleite

A epicondilete ou a mediana são tendiopatias que surgem como resposta à sobrecarga do cotovelo por gestos repetitivos ou pela manipulação de cargas excessivas ou de cargas mal distribuídas.


   Raquialgias
           
As raquialgias, geralmente chamadas de “dores nas costas ou das cruzes”, são as queixas mais frequentemente associadas ao trabalho. Os sintomas variam de acordo com a região da coluna vertebral afetada: cervical, dorsal ou lombar. As lombalgias e as cervicalgias são as queixas mais frequentes.

Cistos sinoviais

Os Cistos sinoviais são decorrentes da degeneração mixóide do tecido sinovial, podendo aparecer em articulações, tendões, polias e ligamentos. São tumorações císticas, circunscritas, únicas ou múltiplas, geralmente indolores, localizando- se, frequentemente, no dorso do punho. O aparecimento de um cisto sinovial é um sinal de comprometimento inflamatório localizado, com degeneração tecidual variável.



  Diagnóstico dos transtornos dos tecidos moles relacionados ao uso excessivo e a pressão de origem ocupacional
 O diagnóstico dos transtornos dos tecidos moles relacionados ao uso excessivo e a pressão de origem ocupacional é clínico, baseando-se nos elementos de história e no exame físico do paciente.


Prevenção dos Transtornos dos tecidos moles relacionados ao uso excessivo e a pressão de origem ocupacional
            A prevenção dos transtornos dos tecidos moles relacionados ao trabalho requer avaliação e monitoramento das condições e dos ambientes de trabalho, particularmente do modo como as tarefas são realizadas, especialmente nas atividades que envolvem esforço repetitivo, movimentos bruscos, uso de força, posições forçadas e por tempo prolongado de segmentos corporais e articulações (joelhos, tornozelos, cotovelo e punhos). Entre os expostos destacam-se:
ü  Trabalhadores domésticos;
ü  Serviços de limpeza;

ü  Ocupações da indústria da construção;
ü  Algumas atividades de operação e de manutenção de equipamentos, como na indústria petrolífera, petroquímica, atividades em serviços de saúde, como manejo de pacientes, de macas e equipamentos, entrem outros.
A prevenção desses agravos requer uma ação integrada e articulada entre os setores de assistências e os de vigilância. É importante que o paciente seja cuidado por uma equipe multiprofissional, com abordagem interdisciplinar, capacitada a intervir e a dar suporte aos sofrimentos físico e psíquico do trabalhador e aos aspectos sociais de intervenção nos ambientes de trabalho.
A intervenção sobre os ambientes de trabalho deve basear em uma análise criteriosa de organização do trabalho que inclui:
ü     Análise ergonômica do trabalho da atividade, do conteúdo das tarefas, dos modos operatórios e dos postos de trabalho, do ritmo e da intensidade do trabalho, dos fatores mecânicos e condições físicas dos postos de trabalho, das normas de produção, dos sistemas de turnos, dos sistemas de premiação, dos incentivos, dos fatores psicossociais, individuais e das relações de trabalho entre colegas e chefias;
ü    Medidas de proteção coletiva e individual implementadas pelas empresas;
ü    Estratégias de defesa, individuais e coletivas, adotadas pelos trabalhadores.
ü    É importante garantir a participação dos trabalhadores e a sensibilização dos níveis gerenciais para a implementação das modificações na organização do trabalho.
Por causa dessas características toda empresa deve disponibilizar exame médico periódico que visa à identificação de sinais e sintomas para a detecção precoce da doença por meio de:
ü    Avaliação clínica com pesquisas de sinais e sintomas, por meio de protocolo padronizado e exame físico apurado;
ü    Exames complementares orientados pela exposição ocupacional;
ü    Informações epidemiológicas.

Recomenda-se o monitoramento clínico por meio da aplicação de instrumentos padronizados de pesquisas de sintomas referidos. Não está justificado o uso de exames de imagem (raios-X e outros) nos exames pré – admissionais e periódicos. Aplicam- se somente nos casos em que é necessário firmar diagnóstico e realizar diagnóstico diferencial.
  
Como podemos observar o conteúdo deste texto somente foi possível após um trabalho de pesquisa minucioso que exigiu uma análise e uma reflexão profunda sobre os Transtornos dos Tecidos Moles – Bursite – Relacionados com o uso excessivo de pressão, origem ocupacional.
            Os Transtornos dos Tecidos Moles – Bursite – Relacionados com o uso excessivo de pressão, origem ocupacional, acontece pelo fato de todos os profissionais de diversas áreas, não estão preparados para a forma correta na hora do trabalho provocando para si mesmo dores é também vários afastamentos desses profissionais no campo de trabalho.
            Por isso que esse trabalho tem como objetivo de mostrar o que acontece com a Saúde do Trabalhador no campo de trabalho é claro a participação do profissional de saúde voltado para a ergonomia desses trabalhadores



 Referências Bibliográficas


Andrade, Everaldo Nery de; Ângelo, Fábio Martins; Castro, Patrícia Cardoso de; Fernandes, Ramayana Gomes; Reis, Cássia Batista; Silveria, Dahyan Wagner da Silva; Silva, Leandro; Estudo dos Recursos Mecanoterapéuticos Utilizados na Manutenção da Mobilidade – Uma Revisão Bibliográfica; Rev.Saúde.Com 2007;  Jequié – BA; 75-84.

Cruz, Gleice Araújo da Cruz; Lima, Johnson Brito de; Trabalho Sentado: Riscos Ergonômicos Para Profissionais de Bibliotecas, Arquivos e museus; Revista Brasileira de Arqueometria, Restauração e Conservação; Volume 3; 2011; 1-7.

Dias, Elizabeth Costa; Doenças Relacionadas ao trabalho: manual de procedimentos para os serviços de saúde; Ministério da Saúde- Organização Pan – Americana da Saúde; Brasília –DF; 2001; 459-462.

 Siqueira GR; Vieira RAG; Ocorrência de lombalgia em Fisioterapeutas; São Carlos – SP; volume 12; número 3; junho 2008; páginas 222- 227.


Uva, Antônio Souza; Carnide, Filomena; Serranheira, Florentino; Miranda, Luís Cunha; Lopes, Maria Fátima; Lesões Musculoesqueléticas Relacionadas ao Trabalho- Guia de Orientação para a prevenção; Direção Geral de Saúde 2008; Portugal; Ministério da Saúde; 1-16.