sábado, 27 de agosto de 2016

VARÍOLA


Onde surgiu a varíola ?


  • Surgiu na Índia, sendo descrita na Ásia e na África desde antes da era cristã.
  • Já na Europa foi introduzida na era cristã.
  • Na América foi usada com uma arma biológica em período de guerras, principalmente pelos exércitos de Cortez, no México.


Descoberta da Varíola:

  • O Francês Louis Paster (1822-1895).
  • Foi o primeiro cientista a admitir que a varíola era causada por microorganismos.

(Louis Paster)


Agente Etiológico:

  • Vírus.
  • Do gênero Orthopoxvirus
  • Da subfamília Chordopoxirrinal
  • Família Poxviridae
  • é um dos únicos vírus mais resistentes, em particular aos agentes físicos externos, como as variações de temperatura.



Sinonímia:

  • A varíola é conhecida pelos seguintes nomes: No Brasil, "bexiga" para o "v.major" e "varicela" ou "alastrim" para o "v.minor".
  • Em outros países a varíola é conhecida como vera ou "varíola verdadeira" para "v.major", "alastrim", "amaas", "kafifirpox", "milkpox" para "v.minor."
  • Denomina-se varíola á moléstia aguda causada por Poxvirus variolae, um vírus específico e de características definidas.
  • A varíola ocorre sob duas formas distintas epidemiologicamente varíola major e varíola minor.

Modo de transmissão:

  • Direta: pelo contato direto com o doente, pelas gotículas de Flugge (gotículas de saliva e aerossóis).
  • Indireta: através de objetos ou roupas usadas pelo doente, dentro de enfermeiras que possam ter pacientes com varíola.
  • Na poeira dos cômodos habitados por variolosos, durante longo tempo pode ser encontrado o vírus.

Reservatório:
  • Não há reservatório animal.
  • Os seres humanos são portadores.
  • Acredita-se que no passado presume-se que o vírus tenha emergido em reservatório animal, após o primeiro assentamento de agricultores, cerca de 10 mil anos a.C, quando os aglomerados populacionais tornam-se grande suficiente para manter a transmissão de pessoa a pessoa.

Período de Incubação:

  • Geralmente fica entre sete a quinze dias após o contágio inicial. 


Sintomas:
  • Após o período de incubação do vírus a doença se manifesta clinicamente nos indivíduos parcial ou totalmente suscetíveis.
  • No período de 2 a 4 dias apresentam os seguintes sintomas:


  • Febre Alta
  • Calafrios
  •  Mialgia (dores musculares-principalmente nas costas.)
  • Cefaleia (Dor de cabeça)
  • Náuseas
  • Vômitos frequentes
  • Tosse
  • Mal estar geral 
  • Astenia (perda ou diminuição da força física.)
  • Dificuldades respiratória

* Depois de três ou quatro dias o doente se sente melhor, e em alguns dos casos os sintomas desaparecem quando se inicia a instalação das erupções.

*Nesse período surgem manchas de cor avermelhadas que invadem primeiro o rosto e depois se estendem ao pescoço, tronco e por último nas extremidades.

*As crostas se forma de 10 a 14 dias após o início da erupção, e caem entre o 14 º ao 29 º dias após o início da lesão.

*As crianças apresentam, ainda convulsões e vômitos.








Classificação das lesões:

1°estágio a mácula:Mancha rósea na pele,sem elevação.
2° estágio a pápula: Mancha rósea na pele,com elevação.
3° estágio a vesícula: Pequena bolha contendo líquido.
4°estágio a pústula: Vesícula cheia de exdutado .

5 °estágio: A crosta e a cicatrização.

Complicações:

  •       Broncopneumonia
  •      Pneumonia necrosaste
  •      Comprometimento cardíaco
  •      Conjuntivite
  •      Cegueira
  •      Úlcera de córnea
  •      Encefalite
  •      Infecção bacteriana secundária
  •      Vesículas e pústulas similares ás de pele, podem ser encontradas nas membranas das mucosas da boca, língua, nariz, faringe, traqueia e esôfago, esses tipos de lesões podem ser encontradas principalmente em pacientes que estão com forma clínicas grave da doença; essas lesões são sempre fatais.
  •  


Profilaxia:


  • Notificação obrigatória e imediata ás autoridades de vigilância sanitária.
  • Identificação dos doentes e isolamento dos doentes.
  • Tratamento imediato em unidades hospitalares especiais para doentes da varíola.
  • Quarentena e vigilância dos contaminantes.
  • Vacinação imediata em massa da população das áreas endêmicas.
  • Eliminação dos focos.


Tratamento:


  • Não há tratamento específico contra o vírus, mas existe vacina.


Descoberta da Vacina:

  • A descoberta da vacina é feita pelo médico inglês Edward Jenner no dia 14 de maio de 1976.
  • No entanto, Jenner não foi o primeiro a desenvolver um método de imunização contra a varíola.  
  • Edward Jenner retirou uma pequena quantidade de sangue das mãos de uma camponesa e inoculou em um garoto de oito anos, com o tempo, constatou-se que a criança havia se tornado imune à varíola.
  • Jenner realizou esse experimento após observar que pessoas antes infectadas com vírus da varíola bovina (bem mais branda) nunca manifestavam a varíola humana: estava descoberta a vacina contra a enfermidade.
  • Seja como for, a descoberta de Jenner mudou a história da imunologia- a própria palavra vacina vem do latim vaccinus, devacca (vaca).



Varíola no Brasil:


  •  A varíola chega ao Brasil trazidos por Africanos e Indianos com seus rostos cobertos, devido as cicatrizes em seus rostos.
  • No Brasil a varíola é referida em 1563, na ilha de Itaparica, na Bahia, disseminando-se para Salvador e causando grande números de óbitos principalmente em indígenas.
  • No ano de 1903 a varíola chega ao Rio de Janeiro.




Vacina no Brasil: 

  • Em 1804, a vacina contra a varíola chegou ao Brasil por iniciativa do Barão de Barbacena, que enviou escravos a Lisboa para serem imunizados à maneira jenneriana- os escravos retornaram e a vacinação continuou de braço em braço.
  •       Somente em 1887, e graças a Pedro Afonso Franco, na época diretor da Santa Casa de Misericórdia, é que o Brasil começou a produzir definitivamente a vacina em vitelos dentro de laboratórios próprios. 
  •     Em 1922, o Instituto Vacinológico fundado pelo próprio Barão Pedro Afonso foi transferido para o Instituto Oswaldo Cruz.
  •      Porém, o episódio histórico mais marcante ocorrido no Brasil envolvendo varíola, se deu no ano de 1904, a Revolta da Vacina.

Revolta da Vacina:

  • No ano de 1904, a falta de saneamento básico no Rio de Janeiro deixa os habitantes vulneráveis a epidemias de febre amarela, varíola e outras doenças.
  • A tensão explode quando em 1904, o governo impõe a vacinação aos moradores.
  • A raiz do problema é a reurbanização da cidade, que remove parte da população á força dos cortiços e morros centrais para bairros distantes.
  • As pessoas vão para as ruas e depredaram lojas e bondes.
  • Os militares controlaram a movimentação.


Vacina:

  • O soro da vacina é aplicada na superfície da pele do antebraço esquerdo ou direito, ou até numa das coxas.
  • No sexto dia após a vacinação forma-se uma pústula, semelhante á da verdadeira varíola.
  • Pelo oitavo dia a vesícula atinge o seu máximo e forma uma crosta que volta do décimo segundo dia cai.
  • Finalmente no vigésimo quarto dia já se observa uma cicatriz que ficará para o resto da vida.





O Fim da Varíola:

  • A vacinação em massa permitiu que o número de casos no mundo em cada ano caísse de 50 milhões em 1950, para15 milhões em 1967.
  • Em 1980 após inúmeras verificações, a Organização Mundial de Saúde (OMS) finalmente declarou a doença extinta e pediu para que os laboratórios do mundo destruíssem suas amostras de vírus.
  • O único laboratório do mundo que não destruí o vírus foi o Centro de Controle de Doenças (CDC) em Atlanta nos Estados Unidos (EUA). 
  • Depois desse período nunca mas foi diagnosticado nenhum caso de varíola.


Referências Bibliográficas:

Ângulo.Juan.Tratado de Infectologia, 3ª edição,Revista Atualizada, Editora Atheneu, São Paulo – SP, Ano 2005.
Porto; A. e Ponte,C.F: Vacinas e campanhas : imagens de uma história a ser contada. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Revolta da Vacina vol.10 (suplemento 2),2003.
www.saude.gov.br
Imagens: Google